Associação de Amparo a Pessoa com Deficiência Manoel Crisóstomo comemora Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

Associação de Amparo a Pessoa com Deficiência Manoel Crisóstomo comemora Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

setembro 23, 2019 0 Por Silvio Cesar

É um dia que representa a luta pelos direitos da pessoa com deficiência

No último sábado, 21, a Associação de Amparo a Pessoa com Deficiência Manoel Crisóstomo, mais conhecida como Escolha do Sítio do Pica-Pau Amarelo ou ainda Escola da Tia Jací, realizou uma grandiosa festa em comemoração ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência.

Jací Crisóstomo é a fundadora da associação I Foto: Associação Manoel Crisóstomo

As políticas de inclusão social de pessoas com deficiência ainda não se consolidaram sob o prisma da efetividade plena no Brasil. Dona Jací, há 49 anos oferece os devidos cuidados para um segmento populacional historicamente esquecido no Brasil, sendo – embora existam muitas educadoras especiais excelentes na cidade – a maior representante da educação especial na cidade de Colônia Leopoldina. Hoje, depois de 49 anos, a dedicação para com as crianças especiais – que começou em baixo de uma mangueira no quintal da casa dos pais de Dona Jací – só aumenta, sendo o amor a marca indelével e incorruptível deste educandário.

Professora Jací comenta o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência I Vídeo: Associação Manoel Crisóstomo

A luta é diária e permanente. São crianças, jovens e adultos que são atendidas pela Associação Manoel Crisóstomo. Além de oferecer formação escolar, Dona Jací é exigida em outras situações, que aparentemente fogem do contexto escolar – é apenas uma aparência, pois tudo se encontra conectado.

Os convidados falaram da luta de Dona Jací I Vídeo: Associação Manoel Crisóstomo

A comemoração contou com a presença de Roberto Freire. Ele destacou saudou Dona Jací pelos serviços prestados na comunidade e afirmou que a associação representa bem a luta pelos direitos e melhores condições de vida das pessoas com deficiência. O cirurgião dentista, Eduardo Henrique, falou da importância da luta que Dona Jací para com as pessoas com deficiência, assim como da garra das mães e dos pais que enfrentam todas as dificuldades para oferecer melhores condições para estas crianças.

Os ex-alunos da Escola do Pica-Pau Amarelo, Tiago Veloso e Carlos Roberto Rocha (Beto Rocha) fizeram uma singela e emocionante homenagem para a Professora Jací. Tiago, que é poeta, recitou uma poesia em homenagem a Jací, enquanto, por sua vez, Beto relatou emocionado o que o educandário do Pica-Pau representou para a sua vida.

Emocionado, ex-alunos falam o que viveram na escola Pica-Pau I Vídeo: Associação Manoel Crisóstomo

Se fizeram presentes muitas mães e todas elas agradeceram à professora pelo seu empenho e dar carinho e amor incondicional, apesar de todas as dificuldades que sempre enfrentou, às crianças, aos jovens e aos adultos que são atendidos pela associação.

As mães agradeceram o amor que seus filhos recebem I Vídeo: Associação Manoel Crisóstomo

A animação da festa ficou sob os auspícios das professoras e servidoras que prestam serviço no Pica-Pau. Ao som de Iago Lopes a tarde ficou ainda mais animada. “As crianças de divertiram muito e dançaram bastante, sendo uma tarde de alegria, inclusão e de fortalecimento do sentimento de que elas não estão sozinhas e de que podem contar com o apoio de Dona Jací”, disse Sílvia Maria, contratada pela Prefeitura Municipal e que trabalha na escola.

As atividades escolares desenvolvidas pelo educandário da professora Jací são mantidas por doações e principalmente pelo apoio que a Prefeitura Municipal de Colônia Leopoldina dar. O Prefeito Manuilson Andrade, como já sabido, é sensível para com estas questões sociais, e as pautas da pessoa com deficiência fazem parte de sua agenda política. Atualmente, a Secretaria Municipal de Educação oferece todos os cuidados e dispensa uma atenção salutar para com as necessidades da Escola do Pica-Pau Amarelo.

Finalmente, parabéns Dona Jací, pois o empenho destes 49 anos conseguiu promover não apenas educação, mas a cidadania para um segmento social que é historicamente excluído e que precisa de ações que levem em consideração os seus direitos fundamentais.

Facebook Comments
Please follow and like us:
error